13/06/11

FEIRA SÃO JOÃO 2011 - ÉVORA


A FEIRA DE S. JOÃO


No ano em que a tradicional Feira de S. João tem por tema “A inovação e a Critividade”, evocando os desígnios do futuro, o Núcleo de Documentação da Câmara de Évora revisita algumas memórias desta feira, de um passado, não muito distante, mas bem diferente dos dias de hoje...
Realizada pela primeira vez no Rossio de S. Brás a 24 de Junho de 1569, a Feira de São João é durante séculos a maior e mais importante feira do sul do país. Na primeira metade do século XX é ainda um acontecimento único na região, que atrai imensos visitantes e centenas de feirantes de todo o Alentejo, das Beiras, do Algarve e de algumas zonas de Espanha.
As novas gentes que passam e as que se instalam; as novidades e exclusividades comerciais, agrícolas e artesanais à venda; a comoção do circo, das touradas, dos teatros, das exposições e das visitas de ilustres personalidades, tiram a cidade da rotina nesses dias.
Um corrupio que ainda hoje embarga as vozes que recordam a Feira de S. João de há 50 anos... Como foi o caso do grupo de senhoras do Centro de Dia da Rua do Fragoso, com quem o Núcleo de Documentação conversou.
Cristina Louro, de 74 anos, natural das Alcáçovas, ouvia falar nesta feira, mas só a conheceu aos 16 anos, quando veio para Évora “servir”. A patroa deu-lhe uns sapatos e a filha da patroa emprestou-lhe um vestido, e nem o ter caído das escadas – por não saber andar de saltos -, ao sair de casa, nem o ter chegado à feira e ver o seu namorado, e futuro marido, a andar no carrossel com outra rapariga, a impedem de ter, até hoje, um enorme apreço pela feira daquela época... Sentimento partilhado por Emília Dias, de 73 anos, que lembra com emoção ter comprado na feira a lã para o colchão do seu casamento. Aliás, segundo os relatos de mais cinco senhoras, entre os 60 e os 78 anos de idade, as peças para o enxoval, as cerejas, e os queijos “para o ano todo”, eram as principais compras feitas na feira. Já os dias mais concorridos eram os de S. João, para os forasteiros, e o de S. Pedro, para os residentes. Inesquecíveis eram as touradas, os carrosséis, “os carrinhos de choque”, o circo e o “cortejo”. E a feira exigia “estrear roupa nova e arranjar o cabelo” e ainda fazer comida extra, “e melhor”, para as visitas que vinham a casa.
... Testemunhos saudosos que o Núcleo de Documentação quis registar e partilhar com a cidade que vive mais uma Feira de S. João...

Sem comentários:

Enviar um comentário